Empreendedorismo e Desenvolvimento Agrícola Sustentável

Empreendedorismo sustentavel

O Banco da Amazônia acredita e opera suas ações com atividades sustentáveis, a fim de desenvolver o empreendedorismo de forma consciente, unindo as riquezas naturais e o bem estar da população. O Plano Amazônia Sustentável (PAS) é uma estratégia de promoção do desenvolvimento sustentável da Amazônia, onde o novo modelo tem como base a valorização patrimonial e o suporte em infraestrutura e tecnologia.

Sendo um dos principais agentes catalizadores na região, o Banco da Amazônia atua com negócios sustentáveis apostando e promovendo a Agricultura Familiar, que colabora diretamente para um equilíbrio empresarial sustentável. Apesar da grande importância da Agricultura Familiar para o Brasil, às políticas públicas ainda desfavorecem os pequenos produtores, isso acontece mesmo à agricultura familiar gerar, em média, 38% da receita dos estabelecimentos e empregar aproximadamente 74% de trabalhadores da área agropecuária, segundo o censo Agropecuário de 2006 do IBGE.

As produções agropecuárias realizadas por familiares de pequenos produtores, denominado Agricultura Familiar, corresponde a 24,3% da área total de estabelecimentos rurais no Brasil, segundo a mesma pesquisa do IBGE. Dentre os principais fatores da Agricultura Familiar estão, a segurança alimentar com uma porcentagem menor de agrotóxicos (fato associado à agricultura orgânica); emprega três vezes mais que a Agricultura não Familiar, maior renda e mais famílias com produção de bens e consumo; além de ser uma das principais fontes de produção de alimentos.

Em um país onde os grandes empresários e suas produções em larga escala dominam uma extensa parte do mercado consumidor, os pequenos produtores familiares ficam marginalizados e com pouca atenção governamental. Num setor onde o segmento da economia agrícola emprega aproximadamente 80% de pessoas no campo, graças à agricultura familiar, enquanto os grandes latifundiários reduzem a mão de obra por máquinas, e vale destacar também que, a pequena produção agrícola consegue gerar além de renda, a redução das estatísticas do êxodo rural.

Tendo esses e outros tópicos em pauta, o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF) é o suporte financeiro, com baixa taxa de juros, para o produtor rural e sua família, que possuem sua renda direta das atividades agropecuárias ou não agropecuárias. Com uma concessão de financiamentos às atividades, o pequeno produtor é conectado ao associativismo de produção e, consequentemente, um apoio às populações tradicionais da região, como os ribeirinhos, indígenas e pescadores.

O Banco da Amazônia promove prioridades nas políticas de Crédito Rural, administrando um intercâmbio de informações para que assim sejam geradas estratégias capazes de melhorar o atual cenário da Agricultura Familiar no país. O caminho é longo e conflituoso, porém as situações estão sendo direcionadas de uma forma com que o micro empreendedor e a natureza, consigam trabalhar em harmonia. Utilizando de investimentos para melhoria de infraestrutura, profissionais capacitados e no controle do equilíbrio dos recursos naturais.