Empréstimos para Agricultura Familiar

agentes credores

A agricultura familiar tem a característica de ser dinâmica e autossustentável. Em que as famílias se mantem e tiram da própria terra o seu ganha pão, seja para subsistência ou comercialização. E esta predominância é vista na grande parte da população das pequenas cidades com até 20 mil habitantes em que vivem na áreas rurais, podendo alcançar cerca de 90% da economia local. Para atender e proporcionar grandes incentivos para economia por meio da agricultura familiar, o Banco da Amazônia apresenta diversas opções de financiamentos, assistência e facilidades.

Tornando-se o principal agente fomentador da agricultura da região, o Banco da Amazônia é responsável por gerar grande quantidade de empregos e renda, fixação do homem no campo, inclusão social e ambiental. um dos grandes aliados e  meio de promotor de recursos é oriundo do Programa Nacional para o Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), em que financia projetos de pequenos agricultores e gera renda para famílias da reforma agrária.

O Basa atua no desenvolvimento regional, gera oportunidades de negócios de forma sustentáveis.  Elencando prioridades nas políticas de Crédito Rural do Governo Federal junto ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), assim promove a interlocução com organizações oficiais de Assistência Técnica e Extensão Rural, Ministérios Sociedade Cível Organizada. Sempre almejando a busca por criar estratégias que são capazes de melhorar a realidade dos produtores familiares.

E para firmar a grande participação da agricultura familiar na economia, o Censo Agropecuário realizada 2006, apontou que 84,4% do total dos estabelecimentos agropecuários brasileiros pertencem a grupos familiares. Ainda o estudo, estabelece que a base econômica de 90% dos municípios brasileiros de pequeno porte. Além de corresponder por 35% do produto interno bruto nacional; e absorve 40% da população economicamente ativa do país.

Dentro da produção da agricultura familiar, de acordo com o estudo, 87% da mandioca, 70% do feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz e 21% do trigo do Brasil, vem de produção familiar. Na pecuária, é responsável por 60% da produção de leite, além de 59% do rebanho suíno, 50% das aves e 30% dos bovinos do país.

Um estudo mais recente, ainda em andamento, o Censo Agro 2017, está prestes de ser finalizado. O resultado preliminar deve ser iniciada em julho de 2018. Mas já pode ter uma noção de que houve um acréscimo de estabelecimentos em Mato Grosso, até a data de 03 de abril de 2018, cerca de 101,9% já tinham sidos coletadas as informações, ou seja, o estipulado era de 116,151 estabelecimentos, até agora já foram contatados, 118,337 locais, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Já em Sinop, cerca de 66% dos estabelecimentos foram coletados. Ao todo estão estimados em 1,381 locais, e já foram contatados 912 estabelecimentos. Com a finalização censo, pode-se ter uma noção maior e importância do agro e da agricultura familiar.